segunda-feira, 25 de junho de 2012



FOLHA DE SÃO PAULO
25/06/2012 - 06h38

Clã Sarney lança nova geração na política

PUBLICIDADE
ANDREZA MATAIS
DE BRASÍLIA
Atualizado às 14h07.
Com a segunda geração envelhecendo, o clã Sarney aposta em novos nomes para não ver seu legado minguar.
Adriano Sarney, neto do presidente do Senado, José Sarney (PMDB), vai disputar a eleição para prefeito de Paço Lumiar, na região metropolitana de São Luís.
Será a entrada da terceira geração da família na política, 57 anos após a primeira eleição de José Sarney.
Divulgação
Adriano, neto do presidente do Senado, José Sarney (PMDB), vai disputar a eleição para prefeito de Paço Lumiar (MA)
Adriano, neto do presidente do Senado, José Sarney (PMDB), vai disputar a eleição para prefeito de cidade no Maranhão
Adriano, 32, é a maior esperança do clã para manter o controle do Maranhão. Com 110 mil habitantes e a 23 km do centro da capital, a cidade é estratégica na "geografia Sarney": é o melhor caminho para a ilha de Cururupu, onde a família tem casas.
Cinco candidatos com experiência política já desistiram da eleição em Paço. Adriano ficou conhecido por operar a venda de empréstimo consignado no Senado, instituição chefiada pelo avô.
O principal cabo eleitoral de Adriano é a atual prefeita, Bia Aroso (PSD), que responde a 22 processos na Justiça e já foi afastada quatro vezes, sob acusação de corrupção. "Onde eu estiver, ele vai estar comigo", disse ela. "Tudo o que tem aqui em Paço tem o dedo da família Sarney."
Para comprovar domicílio eleitoral na cidade, requisito para a candidatura, Adriano tem apresentado a conta de luz de um sítio. O blogueiro Cesar Bello disse à Folha que vai ingressar na Justiça para questionar o documento emitido pela Cemar, a companhia energética do Estado governado por Roseana Sarney.
Outras apostas da família são Filuca Mendes (PMDB), afilhado de batismo de Sarney, candidato em Pinheiro. E Souza Neto, casado com uma sobrinha da governadora Roseana, que irá disputar como vice em Santa Inês.
Filuca já conseguiu uma pequena proeza. O PT decidiu apoiá-lo ignorando resolução que impede novas alianças com o DEM, também na chapa de Filuca. Petistas contrários prometem recorrer ao Diretório Nacional.
OUTRO LADO
O senador José Sarney informou por meio da assessoria que é contra os planos do neto porque "a política é cruel, lida com a injustiça e a ingratidão".
O pai, o deputado Sarney Filho (PV-MA), também se diz contrariado. "Não sou a favor de que filho meu entre na política, mas não posso impedir", disse. "A atividade política está muito mal avaliada", justificou.
O deputado destinou parte de suas emendas para obras em Paço Lumiar, mas nega que tenha ouvido o filho sobre isso. "Nunca, nada, imagina". Adriano Sarney, em entrevista gravada a uma rádio do município, contou a história de outra forma: "Meu pai até falou comigo: 'Olha, dá uma olhada lá para ver quais as ruas estão mais deficientes'".
Procurado pela Folha durante dois dias, Adriano Sarney não retornou recados. "Ele não está atendendo porque talvez não deseje falar com você", explicou o pai.
Editoria de Arte/Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário